DEFENSORA INTEGRA GRUPO DE TRABALHO QUE ARTICULA IMPLANTAÇÃO DE REDE DE PROTEÇÃO AOS IDOSOS EM MATO GROSSO

14/03/2023 14/03/2023 12:27 443 visualizações

A defensora pública, Elianeth Nazário, é a mais nova integrante do grupo de trabalho que atua na elaboração da proposta de implantação da Rede de Proteção e Defesa da Pessoa Idosa em Mato Grosso (RPDPI). A defensora representará a Defensoria Pública do Estado no processo de articulação de uma rede integrada para o fortalecimento dos atendimentos as pessoas idosas.

Em reunião realizada na última semana, com os presidentes do Sindicato dos Aposentados, Pensionistas e Idosos de Mato Grosso (Sindapi-MT), Francisco Delmondes Bentinho, e o do Conselho Estadual de Defesa de Direitos da Pessoa Idosa (CEDEDIPI-MT), Isandir Rezende, além da defensora pública-geral do Estado Luziane Castro, a defensora Elianeth Nazário, reafirmou a necessidade da criação e funcionamento da Rede como uma medida urgente.

Segundo a defensora, a maioria das famílias enfrentam ou enfrentarão dificuldades com seus membros mais idosos. “As nossas famílias, vulneráveis ou não, têm dificuldades em lidar com o envelhecimento. Trata-se de pessoas produtivas que não se prepararam para o envelhecer”, afirmou.

A situação se agrava, de acordo com a defensora, especialmente quando os idosos são doentes. “Então as famílias são surpreendidas com essa nova circunstância. Como tudo que é novo, tentam recorrer às Instituições de Longa Permanência (ILPi). Entretanto como as públicas são pouquíssimas e com requisitos, por outro lado as privadas são caras, as famílias entram em conflito, ou poucos integrantes assumem as responsabilidades sobre seus entes que necessitam de cuidados especiais”, ponderou.

São nestes momentos que a necessidade de uma política pública especialmente voltada ao público idoso mostra a sua importância capital. A defensora explica que são nestas circunstâncias de crise e contradição que a Defensoria Pública, inserida na Rede poderá auxiliar de maneira significativa a melhoria da qualidade de vida das pessoas de maior idade, tanto no campo dos direitos legais quanto no aspecto da própria relação com a família, muitas vezes, fonte de violência e abandono de idosos.

“Para além de promover o acesso à Justiça quando isso se faz necessário, nosso papel inclui auxiliar aos familiares no conhecimento e efetivação dos direitos dos idosos de forma integral e, por outro lado, mostrar ao mesmo tempo aos familiares também os seus deveres para com os idosos. A mediação que fazemos é a oportunidade de apresentar o valor destes laços, revalorizar todos os integrantes da família. A Defensoria busca sempre evidenciar que o respeito aos Direitos Humanos e dos Idosos constituem preparação para o nosso próprio futuro”, sintetizou.